A história do desenvolvimento tecnológico dos processos de impressão

insightcompipoca.blogspot.com

Há algumas semanas um dos assuntos mais buscados aqui no Garatuja tem sido a descrição do processo de impressão offset. Por isso vou tentar trazer mais informações sobre o tema, já começando por esse post.

O desenvolvimento das técnicas de impressão foi motivado por diferentes fatores, tanto tecnológicos quanto sociais. É fato que a industrialização afetou o jornal, como o fez com tantos outros produtos e, até mesmo, com a sociedade em si.

O layout, por exemplo, encontrou, na migração do artesanal para o industrial, a base para o design gráfico que se tem hoje nos jornais e nas revistas.

Alguns autores indicam diversos fatores que, conjugados, estimularam o progresso técnico, permitindo a industrialização da imprensa na Europa:
– Novas ideologias surgiam, tornando o mundo permanentemente sujeito a mudanças e instabilidades, o que acentuava a necessidade de informação;
– Os índices de alfabetização se tornavam cada vez maiores, contribuindo para o crescimento da circulação de jornais e outros impressos;
– A concentração populacional nas cidades facilitava a distribuição do produto impresso.

No mundo inteiro, os equipamentos atualmente utilizados para imprimir os médios e grandes jornais em nada lembram aquele prelo que deu origem à imprensa. Eles foram se tornando cada vez mais complexos para atender à exigência crescente de grandes tiragens, em tempos cada vez mais curtos.

Dois fatores se mostraram relevantes como base para a produção em larga escala dos produtos impressos. Tanto a evolução de tecnologias mais gerais relacionadas à Revolução Industrial – como a máquina a vapor – quanto aquelas diretamente ligadas ao processo gráfico – como a litografia – foram imprescindíveis para que se alcançasse o estágio atual de evolução.

Essa evolução, que ficou quase parada durante muitos anos depois de Gutemberg, caminhava a passos largos no período iniciado no Século XIX. Algumas evoluções tecnológicas desse período foram:
– Uso da estereotipia para fazer matrizes de impressão;
– Instalação da primeira impressora rotativa, cujo desenvolvimento foi apoiado pelo jornal que a instalou. Imprimia vinte mil folhas por hora e os dois lados simultaneamente;
– Introdução da composição mecânica de textos.

De lá para cá o desenvolvimento dessa tecnologia manteve ritmo acelerado, similar àquele registrado em outras indústria.

Fonte: PACHECO, Rodrigo Schoenacher. Design de jornal impresso: a relação entre formato e usabilidade. 2011. 213 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Escola Superior de Desenho Industrial, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s